Prof. Me. Argemiro Aluísio Karling

                                                                                                   Diretor Pedagógico da FAINSEP

O conhecimento é hoje o maior valor da sociedade e também a salvação da humanidade. Por esse motivo, ele se torna o melhor investimento do mundo, pois é o que gera mais riqueza.

Albert Einstein, porém, refere que, mais importante que o conhecimento, é a imaginação. Esta afirmação é muito importante, mas para alguém ter imaginação, é preciso ter informações, que é a matéria prima para pensar e imaginar. Sem estas, vai se imaginar com quê?

As informações é matéria prima para produzir conhecimento, e este, para gerar sabedoria. Sandra Carey afirma que não devemos confundir conhecimento com sabedoria; que um ajuda a ganhar a vida; o outro, a construir uma vida.

Confúcio, filosofo chinês, afirma que: A essência do conhecimento consiste em aplicá-lo, uma vez possuído.

Todas as pessoas e empresas deveriam fazer um investimento em que haja valor e obter bons resultados. O melhor e mais eficaz é o investimento em conhecimento. Assim, as pessoas podem ter salários melhores, ser mais felizes, mais sábias e competentes para auxiliar o próximo e ter uma sociedade melhor. A educação pode salvar e transformar vidas. Outro ponto importante é que quanto mais conhecimento a pessoa tiver, mais poder terá; e as empresas poderão gerar mais empregos, ter mais eficiência dos trabalhadores e diminuir os preços dos produtos.

Quando se fala em auxiliar o próximo, podemos compreender também um grande número de pessoas e a sociedade comum como um todo.

É a partir do conhecimento que se faz sucesso. Caminhar em direção a ele, mas nunca parar de caminhar, assim poderemos até ultrapassar nosso sonho e nos preparar para o futuro.

Falar de futuro nunca foi simples, porém, quando falamos em educação, devemos ter como ponto de partida e alicerce a confiança no futuro e, generosamente, transmitir para as novas gerações a paixão e a força para construir o amanhã e transformar sonhos em vida.”(Catho Comunicação, 2014).

Curso superior não garante competência e sucesso. O que importa é ter informações, saber pensar, ter criatividade e sonhos. Isso implica em a pessoa ter vontade, dedicação e esforço em sempre saber mais para fazer o bem e servir ao próximo.

Sobre esse assunto, podemos ver, por exemplo, as descobertas e invenções que os grandes inventores fizeram. Certamente, buscaram muitas informações, construíram ideias, tiveram imaginação, iniciativa, criatividade e coragem em fazer algo melhor para o mundo.

Eu procurei na internet mais informações sobre “A riqueza do conhecimento”, e veja o que encontrei em um blog, divulgado em abril de 2020:

As 7 Riquezas – Riqueza de Conhecimento

Por: Equipe JRM | Blog | 13 de abril de 2020

Sem dúvidas um dos mais belos e admiráveis tipos de riqueza é a riqueza de conhecimentos. É o tipo de riqueza que não depende de nada além da sua própria dedicação e paciência. Aqueles que possuem riqueza de conhecimento podem ser verdadeiramente considerado sábios. A sabedoria é um bem que não nos pode ser tomado nem roubado por ninguém. Independentemente de como gira a roda da fortuna, nossos conhecimentos permanecem conosco. O segredo para a riqueza de conhecimentos é ser grato por tudo que o Universo te ensina.

Todo o conhecimento que adquirimos ao longo da vida precisa reverberar em outras pessoas, caso contrário ele morre conosco. É através da transmissão que nossos conhecimentos se perpetuam. Temos o dever de partilhar todo o conhecimento que recebemos, passá-lo adiante e ensiná-lo para o máximo de pessoas. Por que devo buscar riqueza de conhecimento? Tudo aquilo que aprendemos, tudo aquilo que conhecemos, criamos, relacionamos, enfim, tudo o que enriquece nossa sabedoria expande nossa consciência eternamente. Tudo aquilo que aprendemos, tudo aquilo que conhecemos, criamos, relacionamos, enfim, tudo o que enriquece nossa sabedoria expande nossa consciência eternamente.

Cada contexto, cada situação exige um tipo específico de conhecimento. Somente através da riqueza de conhecimento adquirimos a sabedoria para utilizar corretamente toda as informações que acumulamos. E o mais importante: quanto mais rico em conhecimentos nos tornamos, mais conhecimentos deixamos para as gerações futuras. O pequeno ato de aprender e transmitir algo hoje pode mudar o mundo através das gerações seguintes. Como busco a riqueza de conhecimento? A primeira coisa que pensamos quando falamos em buscar riqueza de conhecimentos é em estudar.

Pensamos na escola, nos livros, faculdades e nos estudos formais. De fato, tudo isso produz riqueza de conhecimento: quanto mais estudamos mais aprendemos. Todavia, não devemos nos esquecer que existem muitos tipos de conhecimentos diferentes. Nem todos os conhecimentos do mundo podem ser transmitidos e recebidos através de livros ou escolas. Existem conhecimentos que surgem da própria prática de alguma atividade, do contato com a natureza, do exercício de uma arte ou da meditação. Conheço pessoas analfabetas que vivem no campo e são extremamente sábias. Mesmo sem nenhum estudo formal, elas detêm conhecimentos extremamente valiosos dentro do contexto em que vivem.

VOCÊ É FELIZ?

Sabem, por exemplo, identificar e cultivar diversas espécies de plantas que a maioria de nós sequer notaria; reconhecem pássaros pelo seu canto; sabem criar e lidar com diversos tipos de animais. Por isso, para ser sábio, basta estar aberto para perceber tudo o que existe ao seu redor. Se você tem acesso a livros e escolas, use isso a seu favor. Se você frequenta ou já frequentou uma universidade, atualize e compartilhe seus conhecimentos. Se você possui um comércio, aprenda algo novo com seus clientes todos os dias. Se você frequenta alguma religião, aprenda através de sua fé. Todas essas formas são válidas. Como saberei que tenho riqueza de conhecimentos? Primeiramente, é preciso entender a diferença entre informação e sabedoria.

O mero acúmulo de informações, por si só, não significa nada. Vivemos em um tempo em que existe um grande volume de informações. Somos bombardeados por informações o tempo todo através do celular, computador, mídias sociais, televisão e rádio. Ter riqueza de conhecimentos não significa decorar tudo isso. Pelo contrário, a primeira coisa que o sábio aprende é a filtrar as informações que recebe. Primeiramente, nem todas são verdadeiras; e em segundo lugar, não é humanamente possível acompanhar o volume de informações produzido diariamente. Ter riqueza de conhecimento é ter sabedoria para separar o joio do trigo.

É saber quais informações você deve ignorar em função de outras que você deve buscar ativamente. Se você possui conhecimentos sobre algo que podem ser úteis para ajudar outras pessoas, você possui riqueza de conhecimentos. Se você é capaz de ensinar outras pessoas sobre algo, você possui riqueza de conhecimentos.

Voltemos, agora, para o mundo real e concreto.

Tempos atrás, eu conheci um cara que era muito curioso e gostava de ler e de aprender.

Sabe o que esse cara foi e fez?

Foi agricultor; estudante, é lógico; extrator de areia manual; feirante; cabo do exército; vendedor pracista; apicultor, carpinteiro; posseiro (furar posso para água); professor do Ensino Médio; professor do Ensino Superior; coordenador de curso de Graduação, diretor de faculdade, diretor de empresa; criador de cursos superiores; criador de faculdade; assessor técnico; escritor e outras.

Quando criança, com 7 anos, o pai dele disse que iria fazer uma surpresa para o cara. Passados três meses, o pai veio da cidade e trouxe um livrinho Bê-á-bá, que era a surpresa e ensinou o cara a ler.

Daí, o cara entendeu o que o pai fazia com um livro em mãos, sentado na sala. Foi um exemplo que provocou curiosidade e estímulo. No ano seguinte, foi matriculado na escola primária. Daí em diante, passou a ler. O primeiro livro que leu foi a Bíblia, doada pelo pai, meses depois.

Com doze anos, foi para o seminário, onde fez o Ginásio. No seminário, tinha uma boa biblioteca, onde leu imensidade de livros: José de Alencar, Camilo Castelo Branco, Fernando Pessoa, Machado de Assis, Guimarães Rosa, Monteiro Lobato e outros. Assim, ele criou gosto e se viciou em leitura. Quanto mais lia, mais curioso ficava.

Cursou o Científico (Ensino Médio da época), quando descobriu, nas páginas iniciais do dicionário, a existência do curso de Pedagogia. Não era sonho, pois nem sabia qual era a finalidade desta ciência.

O primeiro curso de Pedagogia no Brasil foi criado em 1939, na Faculdade Nacional de Filosofia – FNF.

Na Universidade Federal do Paraná, o curso de Pedagogia foi criado em 1942.

Vinte anos depois, em 1962, esse cara iniciou o curso na Universidade Federal do Paraná e descobriu a possibilidade de serem criadas outras e novas funções para o curso, para ser coerente com o que se estudava no curso, e passou a se envolver, buscando informações, produzindo ideias e propostas para ampliar e ajustar as funções do curso de Pedagogia.

Foi daí que começou o sonho de ser pedagogo, professor e mais funções que estariam por vir.  Daí em diante foi só sucesso. Ele conheceu e observou o princípio de Sócrates: “Conhece-te a ti mesmo”. Aprendendo mais continuou conhecendo a si mesmo e percebeu que os sonhos poderiam ser mais ousados. Assim chegou onde chegou.

No decorrer do tempo, novos sonhos foram surgindo, chegando ao ponto de criar uma faculdade, cuja missão consiste em oferecer educação para o maior número de pessoas. Ele pensou que, se ele chegou onde chegou, outras pessoas poderiam chegar também. Daí ele sonhou em batalhar com garra para ajudar a criar condições para que outros também tivessem oportunidade para chegar ao máximo de suas potencialidades.

Mais informações sobre o caminho, as estratégias, para que esse cara foi e fez, veja no currículo, que consta nas páginas a seguir.

Este cara, sou eu mesmo.

CURRÍCULO

Argemiro Aluísio Karling

DADOS PESSOAIS:

Nome: Argemiro Aluísio Karling

Filiação: Osvino Karling e Clara Karling

Naturalidade: Passo Fundo – RS

Nascimento: 10 de abril de 1938

Estado civil: Casado

Certificação de Reservista: 90.493 – série B – 1ª Categoria – 5ª RS, 3ª RM, Quaraí – RS. Cabo, apto à promoção de 3º Sargento

Registro de Professor pelo WFC: F-835, Psicologia e Sociologia, 2º ciclo, 1965

Endereço Residencial: Rua Clemente Zequim, 100 – Jardim Santa Rosa, Maringá – PR

E-mail: argemiro.karling@fainsep.edu.br

Telefone para contato: (44) 99961-4640

FORMAÇÃO

Educação Básica

Educação Superior

EXPERIÊNCIA EM MAGISTÉRIO

   1967/1968:PUC-PR

1969/1974:FAFIMAN

1974/2003:UEM

1992:UNIPAR

2004-atual: FAINSEP

GESTÃO DE ENTIDADES, ÓRGÃOS E ORGANIZAÇÕES ASSOCIATIVAS

PRÊMIOS E TÍTULOS

PUBLICAÇÕES

CURSOS MINISTRADOS

CURSOS DE EXTENSÃO

APROVAÇÃO EM CONCURSOS

PARTICIPAÇÃO EM CONCURSOS

PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS

FEITOS:

ACESSE OS ANEXOS DA RIQUEZA DO CONHECIMENTO NO LINK ABAIXO