NÃO SEJA CAPIM

Argemiro Aluísio Karling

Diretor Presidente do Instituto para o Desenvolvimento da
Educação e da Cidadania – IEC e Diretor Pedagógico da FAINSEP

 

Que título esquisito! A inspiração para eu dar o título acima foi um artigo de jornal com o título: “Em briga de elefante, quem sai massacrado é o capim”. No texto, tem a frase: “O povo já é acostumado a ser massacrado pelos elefantes (os políticos), poderia usar o seu direito
mais forte, o voto”.

Vivemos num país democrático. Democracia quer dizer participação de todos. Nós, portanto, somos os responsáveis por ele.

O que garante nossa democracia é a Constituição Federal – CF. Nela, constam nossos direitos e deveres.

Um desses direitos é que nós, cidadãos comuns, podemos apresentar projeto de lei, mediante assinatura de, no mínimo, um por cento do eleitorado nacional. Isso está previsto no §2º do Artigo 61 da Constituição.

No Brasil, temos, hoje, 141.824.607 eleitores. Assim sendo, com um milhão e meio de assinaturas, podemos apresentar propostas de lei no Congresso Nacional para acabar com a corrupção e a impunidade no país.

Temos proposta apresentada pelo Juiz Federal, Sérgio Moro, e pelo Ministério Público Federal, que investigam crimes de assalto aos cofres públicos. Investigam, mas têm dificuldades para puni-los.

Ultimamente, os noticiários de TV, jornais e revistas divulgam os escabrosos resultados da Operação “Lava Jato”, que investiga a corrupção na Petrobras, maior empresa do país, que é nossa. O total desviado pode chegar a R$ 19 bilhões. Alguns desses criminosos, sozinhos, passaram a mão em mais de R$100 milhões.

Entretanto, há um sujeito muito especial que abocanhou um pouco mais: R$468 milhões. É o ex-senador Luiz Estevão, condenado, em 2006,
a 31 anos de prisão. Porém, está soltinho, como um pássaro voando.

O processo já está com mais de 30.000 folhas. Por quê? É a nossa legislação que permite este absurdo.

O Ministério Público e a Justiça gastam tempo e fortunas para pegar os bandidos, porém a lei permite que eles se safem. Até quando?

 Os jornais publicaram que apenas um pouco mais de 200 mil haviam assinado a “Lista de Apoiamento” para acabar com a corrupção.

Temos, no Brasil, 8,4% de analfabetos reais, que não sabem ler, mais cerca de 30% de analfabetos funcionais. Sabem ler, mas entendem pouco.

Somadas essas duas categorias, mais os analfabetos políticos, eu imaginava termos cerca de 90% de analfabetos políticos no Brasil.

Porém, agora, com esse baixo número de assinaturas para acabar com a corrupção, é possível supor que o índice ultrapasse os 97%.

Os criminosos organizam-se. E os honestos e os éticos omitem-se, fecham-se no egoísmo, ou na covardia.

Estes, questionados para assinar a lista, respondem: “isso não me interessa; não adianta; não quero nem saber; não me meto nesse assunto”. Uma pessoa ao ser questionada: “Então você é a favor da corrupção?”  Respondeu: “Respeito sua opinião”.

As abelhas, para defender sua comunidade, dão a vida, com sua ferroada. Você, para defender o Brasil da corrupção, basta dar o voto.

Podemos nos organizar e nos manifestar. Nesta proposta, nem é necessário se organizar. Basta preencher os dados, assinar e pronto. Não está com o título de eleitor em mãos? Não precisa. Pelo seu CPF e pelo nome da mãe, os organizadores procuram e registram o número do seu título na lista.

Você é cidadão? Então, assine a Lista e convide seus amigos a fazerem o mesmo.

Elaborado em: 28/09/2015

Mais informações no site: http://www.combateacorrupcao.mpf.mp.br/10-medidas

A PESSOA ÉTICA

Argemiro Aluísio Karling

A falta de ética é um dos maiores problemas do mundo de hoje: a corrupção, as mortes, a pobreza, a fome, a guerra, a discórdia.

Mas, o que é ética? Para defini-la, levar-se-ia algum tempo. Melhor é descrever uma pessoa ética. É mais rápido e dá mais resultados.

Não há necessidade de muita busca em literatura. Cada um de nós tem alguma experiência sobre o assunto.

Em 30 de julho de 2002, dei um curso para professores municipais, dem Jaguapitã. Utilizei a técnica do bombardeamento por cartões, quando foi lançada a seguinte pergunta aos cursistas: “Como se caracteriza uma pessoa que tem ética?” Obteve-se o seguinte resultado:

Uma pessoa ética:

– tem respeito pelo outro;

– tem bom comportamento social;

– tem conhecimento adequado ao grupo ao qual pertence;

– preza pelos seus valores e pelos dos outros;

– é educada;

– sabe guardar sigilo;

– tem senso de responsabilidade;

– tem bom senso;

– sabe ouvir e falar, respeitando as opiniões dos outros;

– tem respeito pelo trabalho;

– tem respeito profissional em relação ao trabalho dos colegas;

– respeita a vida particular das pessoas;

– é justa;

– é honesta;

– é humilde;

– é discreta;

– é sensível e solidária com o próximo;

– é autêntica;

– sabe enfrentar, com categoria, os problemas do dia a dia;

– sabe trabalhar em equipe;

– é ponderada;

– é conhecedora dos direitos do cidadão;

– é defensora do bem coletivo;

– é consciente de seus deveres para com a coletividade;

– se dá bem em todos os lugares;

– é íntegra;

– é companheira;

– é trabalhadora;

– é participativa;

– tem caráter;

– “não faz fofocas”;

– é fiel;

– é confiável;

– tem moral;

– se dá bem no trabalho;

– valoriza a atividade alheia;

– tem postura;

– respeita a opinião formada dos outros;

– busca a paz;

– aceita críticas, sem guardar rancor;

– respeita e procura elevar sua categoria;

– tem espírito de equipe;

– busca a integração;

– sabe falar a coisa certa, na hora certa;

– se dá bem profissionalmente;

– é religiosa;

– faz o outro feliz;

– ama o próximo;

– tem compromisso com o trabalho;

– tem compromisso com a verdade;

– é sociável;

– está aberta a novos conhecimentos;

– é dinâmica;

– “não se intromete nos assuntos alheios”;

– é profissional competente;

– ama o que faz;

– respeita o seu espaço e o dos outros;

– é atenciosa;

– sabe o que quer;

– procura sempre fazer o melhor;

– age com firmeza de caráter;

– cumpre as leis e as normas;

– sabe ponderar o que fala;

– sabe dialogar;

– “não comenta problemas de trabalho com leigos”;

– é prudente;

– tem equilíbrio emocional;

– tem compromisso com a família;

– respeita a diversidade cultural, política, religiosa e social das pessoas;

– pensa para agir;

– busca mudanças;

– supera as falhas;

– compartilha o conhecimento que tem;

– busca aperfeiçoar-se constantemente;

– reflete sobre as próprias atitudes e busca melhorar;

– está sempre empenhada em dar o melhor de si mesma;

– é sensata;

– respeita o conhecimento e os limites de seu próximo;

– ouve, sem criticar e sem reagir;

– preocupa-se com o patrão;

– preocupa-se com o bem-estar das pessoas com quem trabalha;

– “não fica expondo as mazelas de outras pessoas”.

Quantas ideias maravilhosas! E observe, nenhuma tirada de livros, mas da soma do saber individual. Foram juntadas, mediante uma simples técnica, o “bombardeamento por cartões”. Nenhum discurso de sábio apresentaria tal qualidade de descrição sobre uma pessoa ética.

Você tem a caracterização. Agora, basta fazer o esforço para a busca da perfeição ética.

Ao levantar-se pela manhã, abra a porta ou a janela e contemple as plantas, o céu, as nuvens e imagine ser a primeira vez que vê este espaço e essas coisas. Olhe também para você. Pense que você é muito especial. Que você é educador(a). Que você pode ser melhor do que é. Pense que você pode ser amado(a) por seus alunos e é lembrado(a) por eles quando adultos. Como você gostaria de ser lembrado(a)? Com que qualidades você conseguiu contagiá-los?

Lembre-se todos os dias de cada um dos itens que caracteriza uma pessoa ética e faça esforço para buscar a perfeição! Seja todo dia melhor que no dia anterior!

Que é Pátria e quem é Patriota?

Argemiro Aluísio Karling

1. A pátria

A pátria é você. A Pátria é o Presidente da República, são os militares, os deputados, os vereadores; Pátria são os professores, os trabalhadores, os jovens, os estudantes, as mães e as crianças; Pátria somos todos nós; Pátria é o nosso Brasil, verde/amarelo.

Pátria é nossa Constituição. Pátria somos nós, debaixo deste lindo céu. Olhem para fora e vejam se não é lindo mesmo! Existe outro céu como este?

Pátria, somos nós e nossas leis, nossos costumes, nosso modo de viver.

Pátria é nossa música, nossa alegria, nossa vida e nossas festas e tradições.

Pátria é nossa língua. Língua portuguesa que é falada no Rio Grande do Sul, no Paraná e lá no meio dos matos da Amazônia. É a língua com que nossa gente se entende, com que nossa gente canta, com que nossa gente escreve. É a língua que foi usada para contar nossos feitos, nossas vitórias e nossas bravuras.

É a língua usada pelos nossos poetas para nos fazer pasmar, chorar.

Pátria são nossas flores, nossas aves, nossos bosques e nossos rios.

Pátria é cemitério onde estão nossos pais, avós, que nos criaram e nos educaram, para onde foram os heróis que defenderam nossa terra.

Pátria é o nosso céu, nosso povo e nosso solo.

Pátria é nosso berço, nossa casa, nosso cemitério e o túmulo dos antepassados.

Pátria é nosso lar, nossa família que nos dá alegria e felicidade.

Pátria é nossa liberdade, nossa fé, nossa vida.

Pátria é nossa terra, nossa riqueza, nossa educação!

2. Quem é patriota

– Patriota é quem faz alguma coisa boa a seu colega, ao seu amigo e até ao inimigo.

– Patriota é quem ajuda os outros, interessa-se pela vida e pela educação deles.

– Patriota é quem se interessa pela saúde dos seus vizinhos, pelo bem-estar deles.

– Patriota é quem quer a felicidade dos outros e faz alguma coisa por essa felicidade.

– Patriota é quem procura saber mais para que possa andar com as próprias pernas.

– Patriota é quem trabalha, quem sofre pelo Brasil.

– Patriota é o trabalhador que, de manhã, ao acordar, salta da cama e diz: “Vou trabalhar para engrandecer meu Brasil, para fazê-lo rico e forte.”

Patriota é o trabalhador responsável que pensa na grandeza do Brasil e trabalha para o seu progresso.

– Patriota é a mãe que educa bem o seu filhinho, que gosta dele, que o alimenta bem para se tornar um brasileiro, sadio e corajoso.

– Patriota é o pai que trabalha e traz o dinheirinho para casa, para alimentar seus filhos, comprar roupas e pagar a educação deles.

– Patriota é o pai que dá instrução e educação a seu filho, para fazer dele um cidadão livre da ignorância, livre dos espertos; homem que foi para a escola e sabe pensar melhor, trabalhar melhor, ganhar mais e poupar mais.

Patriota é o pai que dá tudo o que pode para educar seu filho.

– Patriota é o professor que recebe a criança na escola para fazer dele um brasileiro consciente, responsável, estudioso. Para fazer dele uma pessoa inteligente, esperta, que faça alguma coisa pelos outros e pelo Brasil.

– Patriota é o médico que salva a vida dos brasileiros, que recupera o homem para o trabalho.

– Patriota é o advogado que faz justiça, que não se vende e não compra ninguém.

– Patriota é o padre e o pastor que pregam a verdade, o amor, o bem e a  justiça; que procura melhorar o coração do brasileiro e fazer com que este ame a Deus e a nossa Pátria.

– Patriota é o moço leal, sincero, honesto e trabalhador.

– Patriota é a criança que estuda, que ajuda a mamãe e o papai para a grandeza do Brasil.

– Enfim, patriotas são todos os que cumprem seus deveres; pessoas que cumprem e fazem cumprir as leis.

3. A formação do patriota

A escola de hoje deve ser um programa de atividades – não estamos mais na época do homosapiens” e sim do “homo sapiens faber”. O homem racional que usa os meios e processos do homem da oficina.

De nada vale o homem conhecer muito, se não sabe fazer nada. Precisamos, sim, formar o homem sábio e educado, treinado para a ação, para ajudar e construir. A escola antiga preparava o erudito, o intelectual, o crítico, o orador…

Hoje, já se vê o mundo, a sociedade e o homem como uma unidade. Preparar o mundo com sua tecnologia, ciência e artes para a sociedade e o homem cidadão. Preparar uma sociedade ideal para o homem viver feliz nela; e preparar um homem forte, feliz, ajustado, trabalhador para formar essa sociedade ideal.

Precisamos formar o homem sábio, crítico e conhecedor dos problemas brasileiros. Formar o homem ativo, participante e responsável, que tenha coragem de sair de seu egoísmo e ajudar seu irmão; o homem que tenha coragem de combater o erro, a mentira e a corrupção; o homem que tenha coragem de trabalhar e cooperar na linha legal da democracia, ao invés de se refugiar na ala esquerda com subversão.

Precisamos formar o homem curioso, que sempre quer saber mais.  Que lê jornal todos os dias, revistas, livros, que ouve noticiários, que pensa e encontra novas ideias para melhorar nosso Brasil.

Os objetivos da educação mudaram, pois outras são as necessidades da sociedade. Hoje, não se admite mais a chefia de um único homem. Quem deve governar é o povo. Mas, que povo? Aquele que, na escola, aprendeu a obedecer? Aquele que, na escola, passivamente ouviu lições? Aquele que decorou nomes e datas, sem fazer correlações?

Só sabe governar o homem livre, aquele que, na escola, participou; que foi treinado para liderança.

 Democracia é isso! É participação de todos, é governo de todos, cada um em seu setor, conforme sua capacidade específica.

Para participar, é preciso entender; e para entender, é preciso escola. Para participar, é preciso coragem; e para ter coragem, é necessário educação e responsabilidade.

Para participar, é necessário saúde, educação, mas também cuidar da educação.

Pátria é o Presidente da República – são os militares, os deputados, os professores, os trabalhadores, os jovens, os estudantes, as mães e as crianças.

– Pátria são nossas leis, nossos costumes e tradições.

– Instrução para que se possa andar com os próprios pés.

Para termos um Brasil forte, é necessário ter homens sábios e fortes.

4. A quem cabe formar esse patriota?

Educação, quem dá? Ninguém! É o próprio educando que se educa. O professor apenas oferece condições. Por quê? Porque queremos homens responsáveis, homens livres, que tenham iniciativa e queiram alguma coisa.

A própria criança deve querer se educar, deve querer progredir. A ela devemos dar a responsabilidade de educar-se.

Aos professores, cabe estimular a inteligência, a vontade da criança. Aos professores, cabe formar hábitos de leitura, de estudo.

O professor não pode coagir, obrigar, desajustar, arrastar, mas, sim, convencer pelo exemplo, pela sua vida.

À educação, cabe modificar o mundo, levantar o homem.

O futuro do Brasil está nas mãos dos professores!

“Que quiseres pôr na Pátria, ponha-o antes na escola.” Queremos continuar com democracia no Brasil, precisamos pôr democracia na escola (Humbold).

– Democracia é: acordar, despertar, tornar-se sábio, envolver-se ativamente e agir.

Meus amigos, minhas crianças, estamos na semana da Pátria. É uma semana de festas, de alegria.

Todos devem saber o porquê. É o aniversário da Independência do Brasil. O Brasil tornou-se livre, passou a ser dos brasileiros; o Brasil agora é nosso, todinho nosso.

Porém, é preciso cuidar, tem muita gente de olho nele. É muito rico, tem muita terra boa, é muito lindo. Mas, não vamos entregar nosso Brasil, não! Vamos defendê-lo, vamos estudar, conhecer bem nosso Brasil, trabalhar para que fique mais rico ainda e pedir para o nosso exército ficar de plantão para não deixar o inimigo entrar.

Assim, vamos ser um Brasil grande, forte e glorioso. Viva sempre, o nosso Brasil!